terça-feira, 9 de março de 2010

Carta a uma ginecologista

Olá senhora* doutora!
Desde o dia que fui ao seu consultório fiquei curiosa em saber o porquê escolheu essa profissão. Formulei uma série de hipóteses sendo que a melhor delas eu logo descartei quando fui atendida pela senhora: gostar de gentes.
Para alguns "ofícios" o importante e, indispensável, é gostar das pessoas. Afinal, são profissões enquadradas nas “humanas”: professor, médico, psicólogo, juiz... por aí.
Mas você “querida sra.” não gosta de gente. Não sabe sorrir ao receber pacientes.
Aperto de mão? Alguma vez já apertou a mão de alguém? Ao te dar minha mão para um cumprimento os seus dedos roçaram rapidamente os meus como se tivesse medo de alguma doença contagiosa.
A forma fria com que a sra me perguntou as coisas; o jeito boçal de responder meus questionamentos. A dor que senti quando me veio com aquele aparelho nojento, mas com o qual estou bastante acostumada (afinal, eu já tenho mais de meio século de vida). Tudo me causava um certo espanto e decidi, antes mesmo da consulta terminar: não voltaria mais ali... nem pra revisão.
Por que te procurei? Pode perguntar. Respondo na boa: meu ginecologista é tudo de bom, mas estava viajando e eu cismei que iria a uma consulta naquela semana. Afinal, havia mais de dois anos que eu não fazia os tais exames necessários à saúde da mulher. Aproveitei as dores do corpo que sentia, a ida a um ortopedista (maravilhoso e extremamente educado, por sinal) e resolvi: é agora, vou cuidar geral de mim.
Alguém já havia me dito que a senhora era extremamente grosseira, porém outra pessoa, bem próxima a mim, é sua paciente (espero que deixe de ser, estou fazendo campanha, inclusive) e não havia contado nada sobre essa sua “característica”.
A senhora mediu minha pressão e disse como estava. Eu não ouvi (sou meio surda e tinha avisado sobre – até falei das duas cirurgias que fiz no ouvido, lembra sua tola?) e perguntei: “está boa?” Ao me responder “educadamente” que eu já deveria estar careca de saber qual é a pressão ideal, já que tenho a minha alta e tomo remédio diariamente, pensei: não é realidade o que se passa aqui neste consultório. Muito surreal pro meu gosto. Eu que, normalmente sou sem paciência, respirei fundo e deixei passar aquela sua segunda, terceira ou quarta grosseria. Foram tantas...
Mas sabe, houve o tal "ápice"... e ocorreu quando a senhora indicou os exames de sangue e urina pra eu fazer e orientou sobre o jejum a ser feito doze horas antes de colher o material. Eu apenas te perguntei se era total o jejum, incluindo água. Sua resposta merecia ter sido gravada e transmitida a todos os canais de TV existentes no Brasil...
Até hoje não acredito que ouvi da senhora doutora: “com a gordura que a sra está pode ficar três dias sem comer e beber que não morre, sua gordura em excesso te alimenta por vários dias” Hãnnnn???
Claro que eu não fiquei calada; não é de minha natureza ouvir uma idiotice, uma grosseria dessas e ficar silenciosa. Claro que eu disse algo parecido com: “opppa, calma que não é bem assim, eu sei muito bem que estou gorda, tenho conhecimento suficiente para saber que não morrerei se ficar alguns dias sem comer ou beber, mas não é assim que você fala comigo”. A sra riu amarelo, diante de minha resposta irritada e ficou aquele climão.
Claro que não volto nunca mais ao seu consultório. Claro que eu contei, conto e vou contar isso pra 995 mil pessoas, incluindo meu ginecologista, quando eu lá for.
Mas uma coisa eu fiquei sem dizer e tô com ela engasgada aqui. Pensando muito seriamente em te telefonar e dizer**: "vai pra puta que te pariu, sua vaca. Vai tomar no cu".
Aliás, fiquei sem dizer duas coisas e a outra é uma pergunta: "por que mesmo a senhora escolheu essa profissão?"
No mínimo deve ter se olhado um dia no espelho e notado a cara de boceta que tem e dito: me identifico.
Só pode!!!
É isso. Espero que a senhora saiba ler, porque conversar, sabe não.
.
*a vaca ficava me chamando o tempo todo de senhora e eu disse a ela: “pode me chamar de você eu prefiro”. Ela me disse: “todo mundo me chama de senhora, minha vida é tão corrida que não me importo que me chamem assim.” Eu retruquei: “minha vida também é corrida e uma coisa tem nada a ver com outra.” Alôôuuu, eu estava falando de mim, sua vaca imbecil: ímpio!!!
.
**Nunca usei palavrões, aqui no Outras Trilhas, de forma tão escancarada, afinal este é um blog família hauahauhsa mas hoje eles são necessários... rs
.

17 comentários:

Jéssica Amorim disse...

Gente eu to passada... não na boa... não da nem pra acreditar que uma pessoa é capaz de tanta falta de respeito, ética, educação etc etc etc... e eu, no ápice do ímpio não perderia a chance se um sonoro: vai tomar BEM NO MEIO do seu cu. Ódio!

Rosana Tibúrcio disse...

Jéss, essa sua fala é a melhor "no ápice do ímpio" hauaushau

Contando ninguém acredita, num é?
Mas foi verdade.
Ela me chamou de gordaaaaa hahahah

Priscila disse...

Rosaninha, como vc passou por isso sem mandar a vaca ir TOMAR NO CÚ (com acento mesmo p/ ficar mais brabo)???? Essa mulher tinha que ser denunciada no CRM (embora eu duvide que eles façam algo), pq agredir uma paciente desse jeito, ainda mais que chamar de gordo hj em dia pode dar cadeia.

Agora como uma pessoa dessas entra numa faculdade e sai de lá desse jeito???? Credoooooooooooooooo!!!E como ela consegue clinicar???? Qdo ela fica doente, com certeza deve se tratar no veterinário,afffffffffffff.

E conta mesmo para todo mundo, bota a boca no trombone!!!!

Bjs grandes!!!

Rosana Tibúrcio disse...

hauahaus eu me divirto com a revolta geral.
Pri, só com acento mesmo pra dar "sustança" ao ímpio...rs
beijos meninasss
AdoUUUro esse apoio

Helô disse...

Com todo o respeito: PUTA QUE PARIU mesmo. A Pri tem razão, ela deve ir ao veterinário qdo enferma.

Helô disse...

Rosanita, volta lá!!! Diz pra ela tudo o que todo mundo escrever aqui. Volta vai!

Helô disse...

No ápice do ímpio não perderia a chance se um sonoro: vai tomar BEM NO MEIO do seu cu. Bom ter amigas que conseguem escrever exatamente o que pensamos. No ápice do ímpio! Bom demais Jéss.

Rosana Tibúrcio disse...

Tô me acabando de rir com as minhas amigas "impadas"...
Muito bom, valeu a consulta com a grossa da mulher cavala
hahaha

deusadovinho23 disse...

Como dizia a nossa mãe, ela tava precisando de um pau para subir.rsrs

Rosana Tibúrcio disse...

haha um pau pra subir... Isso mesmo, pra não dizer outra coisa!!

Jéssica Amorim disse...

rsrsrs engraçado que todo mundo com raiva mandandando ela ir ao veterinário, mas na boa gente... QUALQUER bicho, até os mais "brabos" são mais civilizados que essa filhadapuuuuuuuuta. Hauahuaha o vet da minha gata não atenderia ela não...
Acredita que voltei aqui só pra ler de novo?? Não me conformei, ja contei pra várias pessoas... indignada!!!

Rosana Tibúrcio disse...

Denisee, sua Deusa do vinho, aqui... eu fui recusar o comentário de um "anônimo" e marquei o seu sem querer recusando-o também, desculpe-me, tá?

A Denise dizia no comentário excluído sem querer que a médica seria uma curologista... o resto não vou dizer porque sou moça de família e é meio censurado... hahaha

Rosana Tibúrcio disse...

Ai Jéssica, eu me divirto com você e você tá certa. Mesmo eu tenho medão de animais sei que eles são bem mais "sutis", amorosos...
Ela é pior que animal, uma ameba...rs
Vaca... hahahaha (tadinha das vacas).

Palmitos e Cogumelos disse...

Rosana!
Isso parece um quadro so Salvador Dali... Se fosse um sonho era mais crível... É incrívellllllll.
E pra coletânia de coisas ímpias a serem ditas a fulana:
Vc precisa de um cha de pau barbado com as duas "píulas" balangadeiras.
(COISAS DE GOIÁS)
PS: desisti da UNB, to tristinha e foi muito bom ler esse post pra desanuviar. (é triste mas ta engraçado)

Rosana Tibúrcio disse...

Carolzinha, cê sabe que sou sua fã, né?
Vai dar certo outro dia, noutro lugar e pra melhor...
Bom que cê riu tiquim..rs

Clara Moriá disse...

Aaaaaaaaaah, tenha dó dessa mulher, viu.

Rosana Tibúrcio disse...

Clarinhaaaaa, me ajuda a espancar essa médica, botar língua pra ela, dar o muque e tal???
hauahsuahs