terça-feira, 7 de julho de 2009

Silêncio: herói e vilão

Silêncio é algo que me intriga. Sou fascinada pelo silêncio e muito talvez pelo fato de ser extremamente falante. Sou pura inquietude. Na verdade, o silêncio me fascina; só que a fala também... rs E aí?
E aí há um porém, há sempre um porém... rs o silêncio não só me fascina, ele também me irrita e, muitas vezes, de forma demasiaaaaaaadaaaa.

Silêncio versus discutir a relação/situação.
É disso que falo. Só que não me refiro à relação amorosa apenas, mas também.
Admiro aqueles que se silenciam pra refletir, porque são pessoas sensatas e equilibradas. Admiro os que sabem avaliar o provável prejuízo da fala indevida. Gostaria de pertencer a esse grupo e me esforço bastante pra isso (devo confessar que pouco consigo, mas insisto e insisto, sempre, nesse difícil aprendizado).

São esses os silêncios que me fascinam: os sábios, os dos heróis.

Por outro lado eu, se pudesse, esmurrava os silenciosos covardes. Os que não prosseguem um assunto ou não abordam um assunto por pura covardia, ou medo de serem explorados. Há gente assim, sabia? Se num desabafo do outro “desconfiar” que pode ser explorado, silencia.

São esses os silêncios que me irritam: os covardes, os dos vilões.
imagem

5 comentários:

Jéssica Amorim disse...

Concordo do título ao ponto final rs.
Adorei Rosaninha.
Eu sou silenciosa, mesmo falando pelos cotovelos rs. Você também é... eu achei!

Destesto silencio de corvardia, de falta de argumento depois de te machucar, de medo de se ouvir!

Moça do Fio disse...

Oi, moça.

Eu também queria ser menos espalhafatosa, alardeadora. Às vezes, até consigo. Mas é tão raro, que todos estranham e vêm com mil indagações.
No entanto, acredito que em determinadas situações, não podemos nos dar a este luxo. A voz tem de existir, sim. Foi por ela ficar silenciada que crimes hediondos ainda vivem na nossa lembrança. Mas felizmente, alguns não conseguiram ficar com a boca fechada. Estes, são os nossos heróis.


Beijo.

Taffarel Brant disse...

o silêncio é conveniente.
é uma arma branca.

a fala é convincente.
é uma arma de fogo.

são módulos ofensivos.
cada um ao seu modo.

eu? um defensor da retórica.
sendo esta verbal ou não.
argumentos moldam as discussões.
e descasos as corrompem.

Rosana Tibúrcio disse...

Jéss, estranho, você é desenfreada, mas é silenciosa sim. Sabe ouvir quando a gente "conta" coisas... Eu gosto desse silêncio que não interrompe.

Vera, eu te imagino tão quieta, mais ouvinte, que não gesticula, sabia?? Surpresa pra mim saber você espalhafatosa.

Taffa, que lindo isso que escreveu: dorei!!!

Rafael Freitas disse...

Definitivamente: filho[te] de peixe, peixinho é!