sábado, 8 de dezembro de 2007

Isso não se faz


É, isso não se faz com uma pobre mulher que tem uma certa tendência ao vício.

Há dois mês, bem no início de outubro, comecei a receber assim, do nada, a Folha de São Paulo.

Pensei: vai aparecer um benfeitor da tal façanha. Sim, alguém me achou merecedora de voltar a receber o tal jornal.

Há alguns anos, meu então marido e eu, assinávamos o Jornal. Eu adorava.

Dessa vez ele veio num tempo em que eu estava e estou apertadíssima de serviço, além do tempo que gasto, quando dá, nos estudos e lazer.

Mas tudo bem, numa semaninha eu me adaptei super bem ao Jornal. Não só eu, como também a Laurinha.

Só que, desde o último domingo eu não recebo mais o marrdituuu.

Fiquei sabendo, por intermédio de minha irmã, que havia uns bandidos inteligentes e safados, aqui na Cidade e região, que escolhiam aleatoriamente alguns endereços - pelo catálogo telefônico e mandavam a tal assinatura. Passado algum tempo, eles ligavam para o tal "viciado no Jornal" e embromavam o sujeito num papo super inteligente em que pediam até a carteirinha de vacina e aí, o tal viciado na leitura, entregava todas as informações - quase as sexuais, também - hahah e depois era "lesado" em sua conta bancária.

Pô, mas os tais bandidos inda não me procuraram...

Fiquei sabendo também que essa é uma forma de publicidade que a Folha encontrou para "motivar" os clientes antigos e assim, eles voltariam a assinar o Jornal. Se for mesmo, eitaaa povinho inteligente.

Quase ligando lá e assinando o tal Folha, mas não tô podendo!$!$!!$!$!

Alguém bem que podia me dar esse presente, né não "minha gente"???

hehe

Tá, "eu não presto", tanto quanto os supostos benfeitores...

Um comentário:

rafa disse...

Cuidado, mainha! Cuidado!
Essa de roubarem as informações sexuais é coisa perigosa!
hahaha