sábado, 4 de agosto de 2007

Clientes, ah esses seres...


O cliente tem sempre razão, isso já é mesmo um princípio indiscutível no mundo dos negócios. Seja lá o nível de negócio. Mas tem hora que o cliente, sei não... rs

.

Ontem eu estava aqui atendendo ao rapaz do supermercado que trouxe umas coisinhas pra mim. Aí ouvi uma voz perto da porta. Era uma cliente querendo um quadro de nomes, como desses aí da fotinho.

Pedi para ela esperar um pouco, pois precisava fazer um cheque para o moço e guardar os congelados. Ué... paciência, estava só em casa e é aqui que eu trabalho também. E a mulher reclamando que estava com pressa.

Abri a outra porta e pedi pra ela olhar nos quadros que eu tenho expostos na parede e escolher a gravura, enquanto eu terminava de guardar os "trem".

E assim fiz. Terminei fui até onde ela estava. Ela escolheu a gravura, não sem antes perguntar se aquela escolhida não tinha de outro tom - sabe que não, pois é cliente antiga, já comprou várias vezes.

Escolheu a moldura e pediu para eu deixar embrulhadinho, já que estava com pressa, e na hora de buscar não teria tempo de esperar.

Ok.

Fiz a gravura, embrulhei - não é bem minha praia, confesso - mas tentei fazer um babado bonitinho.

A cliente chegou, quarenta minutos depois da hora marcada - ela tava com pressa - entreguei o embrulho, ela me deu o dinheiro.

Virei as costas pra pegar o troco e ela falou: "tá embrulhada, né? Eu queria ver." Eu parei e disse: "você pediu para eu embrulhar, lembra?" Ela afirmou que sim, mas que "sabe, eu sou muito curiosa, não aguento ficar sem ver antes de dar o presente."

A mulher rasgou o papel de uma vez só, assim como se fosse ela que tivesse recebendo o dito. Continuei meu caminho e fui buscar o troco.

Entreguei o troco pra mulher e fiquei quieta, ela me perguntou o que era origem "teutônica"... nem respondi, olhei para ela que estava com pressa - mas de estátua - e indaguei: "vai querer que eu embrulhe novamente?" Ela disse que sim. Eu pedi licença, fui para a mesa da copa e fiz o maldito.

Entreguei o tal presente e agradeci. Ela riu amarelo, eu ri roxo, olhei para o outro papel rasgado e pensei: * @ # & % * + # * - # @ $ & # 8

Ah, eu não posso contar o que pensei. Afinal cliente tem sempre razão - e pressa!!!

.

2 comentários:

Luiz disse...

Isso me estressa também, viu. E ainda deu troco para ela? rsrs

rafa disse...

* @ # & % * + # * - # @ $ & # 8
Deveria ter dito isso pra ela!!
rs