quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Diálogo punk ou como resolver rapidinho uma questão


Ainda não sei o que pensar a respeito, pois mesmo tempo que achei graça me deu um medo que ó...
Fiquei ontem com Ana Clara e Heitor* e quanto almoçávamos surgiu o diálogo que tento transcrever o mais fiel possível.

Ela: meu aniversário é o mês que vem, já tá chegando.
Eu: adoro setembro, é o segundo mês de minha preferência.
Ela: qual o primeiro?
Eu: maio
Eles: por quê? Por que aniversário de Laurinha?
Eu: não, amo maio bem antes de Laurinha existir, desde sempre.
Ele: foi quando você casou com meu pai, aposto...
Eu: não, nada a ver; não há nenhum motivo específico. Sempre gostei. Sempre falo que se ficasse sedada vários meses e acordasse um dia em maio eu saberia identificar que estávamos nesse mês lindo só pelo cheiro delícia, pela cor do céu e pela atmosfera mesmo. Maio tem um quê que me encanta.
Ele: ah é? e quando foi que você casou com meu pai?
Eu: em junho. Fiz menção de mudar de assunto, afinal... né? Pra quê?
Ela: que dia você casou?
Eu: me passa a batatinha
Ela: que dia Tia?
Eu: eu me casei em dois dias, dia 29 no civil e dia 30 no religioso.
Ela: (meio sem graça) minha mãe só casou com meu pai no civil, ela não pode casar no religioso porque ele já casou com você nele
Eu: quanta besteira, né? Liga pra isso não. Se casamento religioso segurasse casal vocês nem existiam.
Ela sorriu.
Ele: é, mas você é muiiiito mais velha que minha mãe, morre primeiro e meu pai casa com ela no religioso.
Eu: ãhãnnn, Heitor, você não quer que eu morra, quer??
Ela tentou mil argumentos sobre como gente nova pode morrer antes de gente velha, que não tem nada a ver e blá-blá-blá...
Encerramos o assunto e fomos tomar sorvete.

*os pitiitnhos são filhos de meu ex-marido, para quem não sabe.

3 comentários:

Lacerda disse...

Hahahaha... Ótimo post, Rosana.

Helô disse...

Sem comentários.

Rosana Tibúrcio disse...

Né meninos???
Lacerda, depois te retribuo a visita.